segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Mais do mesmo! Uni duni ler de novo e mais uma vez!

Livros e mamadeira...

Livros e chupeta...

Livros e histórias partilhadas!

Histórias discutidas!
Histórias repetidas muitas e muitas vezes!

E é para falar das repetições, tão comuns nesta fase em que os miúdos insistem em ver e ouvir sempre as mesmas coisas, os mesmos livros, os mesmos filmes, as mesmas histórias, que decidi narrar o que presenciei durante nossa troca de livros da última semana. Os estudos explicam que a repetição faz parte do desenvolvimento das crianças na primeira infância.  Eles pedem pra ouvir a mesma história infinitas vezes por quererem ver se tudo será como da primeira vez. Sentem-se seguros quando já conhecem o final, no entanto, precisam dele outra e outra vez! Na terça-feira passada, Tomás, de 3 anos devolveu o livro Margarida do André Neves, publicado pela Editora Abacatte. O livro conta com texto poético e imagens cheias de personalidade e cor, a história de uma vaca inconformada com o destino de todas as vacas e muito, muito sonhadora. Bom, Tomás devolveu o livro, olhou e olhou a mala, mexeu daqui, folheou ali e decidiu: "Quero Margarida de novo!" Anita, a mãe, tentou mostrar outras opções entre tantas novidades, afinal sempre tem livro novo chegando na nossa mala, mas o garoto não desistiu da escolha e me confessou quase em segredo: "quero ter certeza que a vaquinha vai entrar no rio, sabe?" Claro que não vou contar mais detalhes da conversa pra não estragar a surpresa da linda história do André, mas devo confessar que fiquei emocionada. Pude ver na prática o que os estudos alegam. O pequeno leitor sorveu as palavras, o texto, mas precisou de mais de uma leitura para se certificar de tudo o que o livro guarda de bom! A história de amor de Tomás e Margarida não se encerrou na primeria leitura!

2 comentários:

Cristina Sá literaturainfantilejuvenil disse...

Alessandra,
Adorei a história do Tomás. rsrsrs
bjs
Cristina Sá
http://cristinasaliteraturainfantile
juvenil.blogspot.com

Alessandra Roscoe disse...

Você precisa conhecer o próprio, Crisitna! É um fofo e super literário!

Beijos!