sexta-feira, 23 de maio de 2014

Encontro do curso Linguagem Musical EAPE - UnB

No dia do abraço, 22/05/2014, fui abraçada de várias formas ao participar como convidada do Encontro Linguagem Musical promovido pela EAPE - Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais de Educação com a Universidade de Brasília!

O encontro aconteceu num cenário que faz parte da minha história: o auditório da EAPE, que hoje funciona na antiga sede da Escola de Aplicação da Escola Normal de Brasília, onde estudei do jardim à sexta série, hoje sétimo ano do ensino fundamental e foi ali, no mesmo palco que ocupei com meus livros, histórias e cantigas, na manhã de quinta-feira, que cabulei minha primeira aula e por causa de um piano de quarto de cauda! Eu estudava na parte da tarde, minha mãe me deixou na entrada da escola antes da aula e eu, a caminho da minha sala, vi, de uma janela entreaberta, o piano também aberto no meio do palco. Entrei e me perdi no tempo e nas descobertas todas, era 1979, eu com nove anos de idade. Ao fim do dia, quando minha mãe foi me buscar, a professora avisou que eu havia faltado e minha mãe desesperada, argumentou que havia me deixado na escola no começo da tarde. Quando me encontraram quase sete da noite eu ainda batucava no piano, tomei pito e fiquei de castigo, mas anunciei que tinha aprendido muito mesmo sem sala de aula. Não convenci ninguém, mas hoje entendo que aquilo serviu talvez para hoje eu ter podido encorajar os professores do curso de linguagem musical, pois mesmo sem saber música formalmente, não leio partituras e não decifro os códigos, eu sei que a musicalidade é parte de mim e do meu trabalho! Tenho livros com cds de cantigas que compus e também canto histórias! Acho que porque nunca tive medo de me assumir musical, informalmente musical! Talvez seja essa liberdade que nos falta pra fazer o que imaginamos impossível!

Fui abraçada por todos do curso, pelo Christofer, que coordena as oficinas pedagógicas, pela Aldanei Menegaz, encantadora de tantas histórias, que me fez o convite, pela Patrícia Pederiva, da Unb e amiga de outras datas, pelas educadoras Malu e Andréia e também pelo batucadeiro, Ricardo Amorim! Todos dividiram suas histórias e seus saberes no Encontro e me encheram de uma felicidade sem tamanho! O outro abraço veio da Luiza, minha caçula que me acompanha desde o ventre nas andanças literárias da minha vida! Tive uma semana intensa de trabalho com muitas apresentações em escolas e oficinas e fui surpreendida por uma faringite aguda que me deixou sem voz e com acessos de tosse incontroláveis. Na quinta, dia do encontro, apesar dos tratamentos convencionais e de todos os caseiros também, na tentativa de recuperar a minha voz, estava ainda com um fiapo de fala. Luiza teve que ir comigo e no carro, a caminho da EAPE, avisou que iria me ajudar, pra que eu não gastasse o resto de voz que me sobrara. Avisou e cumpriu a promessa, subiu ao palco comigo, cantou uma das cantigas que inspirou meus livros da coleção Experimente a Palavra, Editora Canguru e fez a "leitura" do livro O minhoco apaixonado em voz alta, mesmo sem estar alfabetizada!







Eu li, contei, cantei, partilhei também as histórias de muitas histórias...

E voltei pra casa feliz por tanta coisa linda que vivi!

Um comentário:

snoop .sw disse...

Que saudades ..estudei ne escola normal de brasilia na decada de 70.. era muito bom,as apresentaçõs no auditorio ,as aulas de educação física no Cief.. algumas professoras quejamais esquecerei ,Pompéis,liberalina,Suely ,graça...sai de lá acho que em 1980..