segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A arte está de Luto!

O domingo amanheceu triste com a notícia da morte do incansável Teodoro Freire, mestre do Bumba-meu-boi maranhense, que escolheu Brasília para viver e difundir sua sabedoria e a rica cultura do Boi e do Tambor de Crioula. Chegou em 1961 para "brincar" o Boi no aniversário de um ano da nova capital e fincou por aqui o alicerce do que viria a se tornar a mais forte manifestação da cultura popular na cidade. Aos 91 anos, o coração do mestre Teodoro parou e sua partida deixou um vazio estranho. Teodoro Freire e o Centro de Tradições Populares do Bumba do Maranhão, mantido por ele em Sobradinho, cidade satélite de Brasília fizeram parte de um dos meus livros-cd: História pra boi casar, com ilustrações de Mariana Zanetti, Arranjos musicais de Orlando Neto, publicado pela Peirópolis. Em 2010, quando lançamos o livro, tive a grande alegria de realizar um show no Teatro Eva Herzt da Livraria Cultura do Shopping Iguatemi e ter, em dia de jogo do Flamengo, outra paixão declarada do mestre Teodoro, a presença doce e inspiradora do próprio. Já doente, ele assistiu ao show da primeira fila, sentado num cantinho, batendo palmas e se encantando, logo ele, o encantado do Boi. Ao final, quando os brincantes do Bumba do Teodoro, como ficaram conhecidos os integrantes da folia dividiram comigo o palco, vi que Teodoro estava emocionado e todos nós também! Foi uma honra muito grande para mim!



Não foi apenas um espectador atento e emocionado, Mestre Teodoro foi o grande homenageado no livro, no show e com seu jeito simples e pleno de sabedoria nos deu a grande felicidade de sua presença tão intensa.

Em 2010 fui convidada para abrir com a canção do livro a grande festa dos 90 anos do Seu Teodoro, em Sobradinho. Festa linda organizada pela família e pelos amigos do mestre. Ele nãõ viu nada, estava no hospital, mas ano passado ainda com a saúde debilitada, fez questão de ver a festa e ficou num camarote, ligado a um aparelho de oxigênio, mas curtindo com brilho nos olhos cada movimento do folguedo!

Hoje pela manhã mais uma notícia triste mexeu comigo, a morte de outro amigo e mestre, o escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós. Bartô, como era carinhosamente tratado pelos amigos e escritores se despediu neste janeiro, deixando de luto a poesia e a literatura. De voz mansa e serena tinha sempre erguida a bandeira da luta por um Brasil leitor. Aprendi muito com ele, aprendi a enxergar beleza onde tudo parece querer entristecer, aprendi a ouvir e observar mais do que falar, aprendi a lapidar palavras, brincar com elas, aprendi a transformar saudades e dores em versos, em prosa. Aprendi a acreditar que todos nós, em nosso cotidiano podemos espalhar a paixão pela leitura literária e foi graças ao Manifesto por um Brasil Literário, escrito por Bartolomeu e lido por ele numa das edições da FLIP em Paraty, que vi a causa da leitura crescer e se fortificar. Tenho muito orgulho de ter partilhado um pouco da grande sabedoria deste poeta e certeza de que sua obra o fará eterno!
No Salão do Livro Infantil e Juvenil da FNLIJ, no Rio, o primeiro da Luiza, em 2009.

Aqui, depois da homenagem que recebeu no Salão, autografando para outro amigo, o escritor Tino Freitas e fazendo graça para Luiza! Bartô fará muita falta!!!

Um comentário:

Fernanda Matos disse...

A tristeza fica do que nao mais deles vamos ver e ouvir, mas também o que deixaram dá ainda e para muitos trabalhar...
Que sigam seus caminhos aonde estiverem fazendo a arte perpetuar no amor que tinham.